Notícias em Destaque

Projeto evangelizador suscita cultura vocacional na Igreja no Brasil


Várias dioceses e arquidioceses do país estão aderindo a uma campanha pelas vocações que se espalha pelo Brasil inteiro e outras partes do mundo, como é o caso de Bafatá, no continente africano, como uma ação evangelizadora fundamentada na temática principal “Pedi ao Senhor da messe que envie operários para a sua messe”. O projeto é uma iniciativa de alguns regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e foi apresentado em abril deste ano ao episcopado brasileiro durante a 56ª Assembleia Geral da entidade.

A proposta é que cada comunidade coloque-se em oração, como um único corpo, pedindo ao Senhor, por intercessão de Nossa Senhora, uma nova vocação para a Igreja. Desenvolvida a partir de dois eixos, o bispo de Paravaí, dom Mário Spaki explica que a ação é colocada em prática quando as comunidades rezam pelas vocações antes de todas as celebrações, reuniões e encontros e quando publicam testemunhos de quem vive com alegria sua vocação.

“Antes de tudo é preciso afirmar que é uma ação evangelizadora ousada. Nosso objetivo é unir a Igreja num único corpo para colocar em prática uma frase do Evangelho: ‘Pedi ao senhor da messe que envie operários para a sua colheita’ (Mateus 9,38), fazendo com que em cada comunidade se reze com fé e entusiasmo pelas vocações”, afirma o bispo. Portanto, o primeiro eixo a ser desenvolvido é “rezar pelas vocações”. Nesta fase, é importante que em todos os encontros/ reuniões da Igreja se comece ou termine uma dezena do rosário pelas vocações. Nela se deve recordar às pessoas a intenção da oração que é as vocações.

“A cultura vocacional é o ambiente positivo, saudável referente às vocações, por meio do qual propiciamos que chegue até as crianças, os adolescentes e os jovens o testemunho alegre das pessoas que seguem Deus. A Cultura Vocacional se forma a partir da oração e do falar positivamente das vocações, num mundo cheio de lamentações. Na maioria das dioceses e congregações são designados um padre ou uma religiosa, respectivamente, para promover as vocações. Com esta ação evangelizadora, estamos corresponsabilizando, não apenas algumas pessoas, mas toda a Igreja”, afirma padre Mario Spaki.

O outro eixo a ser suscitado pela ação é a evangelização pelas redes sociais. Neste contexto deve-se levar em conta a publicação de vídeos breves, densos de vida cristã-presbiteral-religiosa-laical nos meios de comunicação, interagindo com os regionais, arquidioceses, paróquias, pastorais e movimentos eclesiais. Segundo dom Mário Spaki todos os dois eixos vão de encontro ao que o papa Francisco incentiva- o de ser uma “Igreja em Saída”. “As vocações estão ligadas com o todo da Igreja. Do mesmo modo que a totalidade dos católicos está se renovando com os impulsos da missionariedade advindos do Documento de Aparecida, posteriormente levada para toda a Igreja pelo papa Francisco, as vocações à vida da Igreja também dependem dessa renovação missionária, da Igreja em saída”, afirma.

Vivência – A iniciativa já foi acolhida em diversas localidades do Brasil. No sul do país, por exemplo, os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul tem experiências concretas. “Pessoalmente tenho me surpreendido pelo entusiasmo com que as pessoas abraçaram esta causa: quase na totalidade das comunidades já se tornou comum a oração pelas vocações. E o fazem antes do horário de início para não atrasar a celebração. Percebi, em muitos lugares, como a oração ajuda a preparar o ambiente para a celebração”, explica dom Mario Spaki.